IMG 7781

 IMG 0067

Diambi Kabatusuila, Rainha congolesa do povo Bakwa Luntu visitou a Universidade de Cabo Verde com o propósito de dar aos estudantes uma visão "correta" da experiência africana para a construção do futuro do país.

“Os estudantes necessitam ter informações corretas da experiência africana de tudo o que estão a estudar aqui, que são bons para o futuro do país, para a sua construção”, afirmou Diambi Kabatusuila à imprensa, sublinhando que “para construir um país não é somente ter conhecimento de disciplinas como a Matemática, a Física, a Medicina ou Agricultura.”

A Rainha se encontra em Cabo Verde desde o dia 19 de janeiro por uma visita de sete dias, e durante a sua primeira visita à Uni-CV considerou-a uma das instituições que tem trabalhado para ajudar na construção do futuro do continente africano.

Com o propósito de também ministrar uma conversa aberta com a academia, Diambi Kabatusuila defende que é necessário que os jovens tenham "uma visão correta para a construção do futuro", e pensa que é crucial os estudantes saberem de onde vieram e quem são.

“É importante construir uma estrutura psicológica e espiritual para definir uma identidade equilibrada e com valência, e para isso é necessário saber da nossa origem”, prosseguiu.

Para o Reitor Arlindo Barreto, a visita da Rainha à Uni-CV é muito importante para a instituição por aquilo que representa, a ideia da multiculturalidade, e da expansão daquilo que tem se alargado junto dos estudantes.

“A ideia da inteligência crítica para saber de onde viemos, para onde vamos, como conseguir lidar com a sabedoria e sobretudo valorizar aquilo que nós temos, fazendo a ponte entre a Universidade de Cabo Verde e os países vizinhos e fora da África”, sublinhando que a própria Rainha “representa esta ligação”.

Diambi Kabatusuila é a Rainha da Ordem do Leopardo do Povo Bakwa Luntu, e foi coroada como a tradicional rainha do Bena Tshiyamba Povo de Bakwa Indu de Região central de Kasaï parte da antiga Luba, Império na República Democrática do Congo, em 31 de agosto de 2016.

Um dos seus principais projetos é buscar alianças para mudar a narrativa sobre o povo africano, trabalhando na promoção da restauração da identidade africana, encorajando as pessoas a aprender sobre sua verdadeira história, promovendo a valorização de sua cultura africana herança ancestral em culturas, línguas, folclore e tradições, que colocam o maior valor em compaixão, respeito, solidariedade e o papel primordial do Criador em todos os aspetos da existência.