A Universidade de Cabo Verde encerrou o vasto programa de comemorações dos 40 anos do Ensino Superior em Cabo Verde com a conferência “Educação para Inovação na Formação a distância”, proferida pelo Doutor Paulo Dias, Reitor cessante da Universidade Aberta de Portugal, no dia 13 de dezembro, no auditório da Escola de Negócios e Governação. 

IMG_7995Conferência “Educação para Inovação na Formação a distância”.jpg

O Doutor Paulo Dias partilhou com o público os princípios da educação aberta, educação a distância e em rede, sobretudo, no quadro do desenvolvimento da cultura da inovação.

Afirmou que a escola de manhã terá que ser construída para a inovação. A educação aberta é exatamente o contrário de tudo aquilo que se faz hoje em dia, é trabalhar com espaços de assiduidade total, sem limites, mas sobretudo orientada para conteúdos e processos da aprendizagem dinâmicos. “Estamos a falar de uma educação que está para além da sala de aula, estamos a falar de uma educação que está em rede, uma educação orientada para o desenvolvimento do conhecimento em rede”, explicou. 

O ensino a distância implica a separação física do professor e do estudante, a utilização de tecnologias de mediação entre ambos e uma organização com pedagogias próprias. O Reitor reforçou, ainda, que o modelo pedagógico é orientado para a inovação, inclusão e flexibilidade. 

A Vice-Reitora da Uni-CV, Astrigilda Silveira, no ato de abertura da cerimónia apontou alguns desafios no estabelecimento de políticas e responsabilidades em relação ao papel da educação a distância: i) rentabilizar o centro de formação a distância, visando potenciar ao máximo as modalidades de educação a distância; ii) reforçar o sistema de comunicação banda larga de forma ininterrupta; iii) fortalecer as capacidades da equipa responsável do núcleo de ensino a distância e de suporte aos processos de ensino e aprendizagem a distância da Universidade de Cabo Verde por meio de ações de formação em todas as áreas de modo a garantir a qualidade e sustentabilidade dessa metodologia de ensino; iv) realizar seminários ou workshops com especialistas nacionais e internacionais por forma a que os constituintes do núcleo possam manter-se sempre atualizados com as potencialidades do e-learning, avaliando permanentemente as suas experiências quer nos casos de sucesso quer nos de insucesso; v) garantir o apoio destinado ao acompanhamento dos formandos com eficiência e satisfação das necessidades da instituição; vi) assegurar uma diversidade de recursos humanos e tecnológicos com o objetivo de garantir uma relação dinâmica no processo de formação a distância promovendo a construção do conhecimento dentro da perspetiva socioconstrutivista; vii) formar formadores e docentes altamente qualificados e arquitetos e engenheiros pedagógicos; viii) incrementar a integração do sistema de educação à distância da Universidade de Cabo Verde nas redes internacionais; ix) avaliar, permanentemente, as experiências realizadas e disseminar os resultados.

Recordou que o antigo Instituto Superior de Educação e a Universidade Aberta de Portugal assinaram o protocolo, em 1999, para a inovação pedagógica em Cabo Verde, país onde o ensino à distância existe desde 2012, mas só foi regulamentado em 2016 para dar maior oportunidade aos jovens no território constituído por ilhas. Em 2018, a Uni-CV integrou a associação de educação a distância dos países de língua portuguesa.