As equipas de ECAA e CIDLOT da Universidade de Cabo Verde convidam toda a comunidade académica da Uni-CV e os demais interessados assistir às conferências no âmbito do Ciclo de Conferências: Rural e Urbano: Resgate do Local num Contexto de Globalização, que terá lugar no dia de 13 de novembro de 2013, a partir de 16:00 horas, no auditório da Reitoria no Plateau. 

As conferências serão proferidas pelos Professores Doutores: JOSÉ ESTEVES REI, do Departamento de Ciências Sociais e Humanas, subordinada ao título: "Entre o rural e o urbano, o local e o global: memória e futuro, em lavras universíadas cabo-verdianas e portuguesas" e PEDRO ALBERTO SELBACH, do Departamento de Solos da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, subordinada ao título: "Engenheiro Agrónomo – Profissional protagonista do desenvolvimento sustentável.".

 RESUMOS

"Entre o rural e o urbano, o local e o global: memória e futuro, em lavras universíadas cabo-verdianas e portuguesas"

O homem nasceu rural ou urbano? E o cabo-verdiano, em especial? Pessoalmente, com Vergílio Ferreira, escritor português da segunda metade do século XX, não estou seguro de já ser urbano, tais são as marcas de uma ruralidade profunda que, ainda, transporto comigo desde a Serra da Estrela, em Portugal, onde nasci. O global apresenta-se como uma aspiração generalizada, vista como forma de o indivíduo se elevar acima do lugar onde viu a Luz ou permaneceu.

O quadrado semiótico, constituído pela dupla oposição, homologada, rural- urbano / local-global, torna-se num layout e símbolo de existência humana ou de múltiplas existências, concêntricas ou pluridirecionais. A centralidade dessa polivalência significativa está no conhecimento reflexo: qualidade outorgada ao homem e que, a nós, universitários, professores e estudantes, nos desafia, compromete e capacita para a compreensão do mundo, o de ontem e o de hoje, contraindo o dever de a partilhar.

Mais, é o conhecimento como centralidade desses quatro pólos que nos permite construir a unidade do ser entre o "local" de cada um e o "universal" de todos, guiados pela Sabedoria de Miguel Torga, escritor do Douro, que define o universal como o local sem paredes. Assim, nessa unidade, superamos as oposições anteriores existencialmente como o fazem as nossas diásporas, cabo-verdiana e portuguesa, hoje adjuvadas pelas fadas das TICs, ao oferecerem-nos a libertação do espaço e, aparentemente, do tempo.

Mas outras manifestações da superação dos constrangimentos na construção dessa unidade, nos surgem: da palavra dos poetas, à "áurea mediocritas" ou voto piedoso dos reis e ao movimento de regresso às origens, isto é, ao campo e a terra natal – nos fins de semana, em férias e na reforma, após a atividade profissional.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

"Engenheiro Agrónomo – Profissional protagonista do desenvolvimento sustentável.".

Serão abordados alguns marcos históricos importantes para o Brasil, salientando a inserção da tecnologia pelo desenvolvimento da pesquisa e pela formação de faculdades na área agrícola. A consolidação dos cursos de Agronomia no Brasil é relativamente recente, entre 100 e 120 anos, com a consequente regularização da profissão pelos conselhos de profissionais como o CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) e da CONFAEAB (Confederação das Associações de Engenheiros Agrónomos do Brasil). O Engenheiro Agrónomo, pela sua capacitação, atua em várias áreas que tem se renovado e ampliado em função do progresso. Diante deste quadro o profissional deve estar atento às mudanças, buscando uma qualificação constante, para atendimento dos sistemas agrícolas.

 BIOGRAFIAS

JOSÉ ESTEVES REI, nasceu em Prados, Celorico da Beira, em 1949.

É licenciado em Filologia Românica, Mestre em Ensino da Língua e da Literatura e Doutor em Didática das Línguas e Retórica. É Professor Catedrático aposentado da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Duro (Vila Real, Portugal) e Professor Titular Convidado da Universidade de Cabo Verde, na qual leciona no Curso de Estudos Cabo-Verdianos e Portugueses e dirige a Câmara de Investigação.

Na UTAD, foi presidente do Conselho Pedagógico, coordenou os Cursos de Português-Inglês e de Ciências da Comunicação, tendo ainda, coordenado este último curso na Universidade Fernando Pessoa, nos quais lecionou. Investiga desde 1990, em Linguística, Literatura, Didática e Comunicação. Foi membro da Comissão de Avaliação Externa dos Cursos de Ciências e Tecnologias da Comunicação, das Universidades Portuguesas, em 2004-2005, por nomeação ministerial.

Leitor de Português na Universidade de Zurique, de 1978 a 1983, leccionou na Escola Superior de Educação do Porto, de 1986 a 1988, antes de ingressar na UTAD, em 1989.

A sua investigação distribui-se por dezenas de artigos e uma vintena de obras como:

i) Sobre didática das línguas:

- Curso de Redacção, 2 Vol., Porto Editora, em 1994;

- A Escola e o Ensino das Línguas, Porto Editora, em 1998;

- A Análise Textual. Teorias e Práticas. Didáctica da Língua e da Literatura, Colibri, em 2007.

i) Sobre comunicação

- Retórica e Sociedade, Instituto de Inovação Educacional, em 1998;

- Uma Tradição Cultural do Porto, Capital Europeia da Cultura 2001. As Quadras de S. João – Jornal de Notícias, Universidade Fernando Pessoa, em 2000;

- Estudos de Comunicação: O Texto, Universidade Fernando Pessoa, em 2001;

- A Comunicação Estratégica, Estratégias Criativas, em 2002.

- Faça-se Ouvir. Domine o discurso em qualquer situação, Porto editora, 2013.

- É autor de dois livros de poesia, sob o pseudónimo de Altino Serrano: Hinos em louvor da Terra e Um homem na cidade, em construção...

- Foi co-autor da Terminologia Linguística para os Ensinos Básico e Secundário (TLEBS).

É colaborador semanal do Jornal Douro Hoje, em Lamego, desde há meia dúzia de anos. Foi colaborador do Rádio Clube Português, em Vila Real.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

PEDRO ALBERTO SELBACH, Engenheiro Agrónomo e Mestre em Ciência do Solo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e PhD em Microbiologia e Bioquímica do Solo pela University of Wisconsin – USA. Desempenha suas funções como professor de graduação e pós-graduação e como pesquisador junto ao Departamento de Solos da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente esta no cargo de Diretor da mesma Faculdade.

Moderadora: Mestre Elsa Barbosa Simões – ECAA, Universidade de Cabo Verde

Local: Auditório da Reitoria no Plateau e não Campus do Palmarejo como está no cartaz.

A Directora do CIDLOT                                                     Coordenadora do PE da ECAA

Judite Medina do Nascimento                                                        Olena Kovtun

Pin It