silvestre_unicv.jpg

O professor e investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Uni-CV, Silvestre Baptista, apresenta os diversos cenários da evolução do sistema energético na ilha de Santiago, em Cabo Verde, num artigo publicado na revista internacional “Energy Reports”, da Editora Elsevier.

O artigo intitulado “Analysis of evolution scenarios of Santiago Island energy sector in Cabo Verde”, tem como principal finalidade,  estabelecer e apresentar diversos cenários da evolução do sistema energético, na ilha de Santiago em Cabo Verde, a longo prazo, isto é, até o horizonte temporal de 2040, de forma a conhecer diferentes aspetos de políticas energéticas, ambientais e de um planeamento energético integrado.

No estudo, o investigador usou a ferramenta de simulação energética LEAP (Long Rang Energy Alternatives Planning) que simula projeções futuras de evolução dos sistemas energéticos, através de inserção de dados de procura, transformação e recursos de um ano base. Estabeleceu-se, por hipótese, três cenários para a projeção da matriz energética e dois indicadores relativos à taxa de crescimento médio anual (TCMA), designadamente, económicos e demográficos, até o horizonte temporal de 2040, com vista a analisar o comportamento da evolução de parâmetros estimados, tais como, procura energética final, entre outros, dos sectores: doméstico, Instituições Públicas, comércio/Indústria/Serviços, hoteleiro, iluminação Pública, dessalinização (produção da água potável), consumo interno (Central Única) e Perdas Totais (técnicas e não-técnicas).

Dos resultados ora apresentados no artigo, verifica-se que a tendência atual da evolução energética da ilha é de um crescimento da demanda total por energéticos, e deverá atingir, num cenário eficiente, aproximadamente os 670 GWh, em 2040, ou seja, mais de três vezes superior ao ano base de 2017.

O investigador chegou à conclusão de que o consumo energético na ilha de Santiago continuará a ser maioritariamente no setor doméstico. Assim, estima-se que o segmento doméstico representará, em média, cerca de 57.3% de todo o consumo, seguido dos setores de comércio/indústria/serviços e instituições públicas com aproximadamente 19.5% e 7.6% respetivamente. Com relação aos aspetos ambientais, as emissões de CO2eq, sofreriam uma redução prevista na ordem de 75.6% até o ano 2040. 

O artigo conta com a colaboração do investigador Luís Tarelho, do Departamento de Ambiente e Planeamento, da Universidade de Aveiro, Portugal. 

O “Energy Reports” é uma revista “on-line” multidisciplinar de acesso totalmente aberto, cobrindo qualquer aspeto da pesquisa em energia, do ponto de vista da engenharia técnica ou do aspeto da pesquisa social, e todas as áreas de estudo serão consideradas (por exemplo, renováveis, fósseis, nucleares).

Pin It