homen do mar 640bb

cassandra_silva_.png

A reportagem “Os homens do mar: uma viagem em busca de sobrevivência” da ex-estudante da Uni-CV, do curso de Jornalismo, Cassandra Silva, foi a vencedora do Prémio Nacional de Jornalismo, na categoria Televisão. O anúncio dos vencedores do PNJ foi feito no dia 3 de maio, pela Associação dos Jornalistas de Cabo Verde, AJOC, no Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

Natural da ilha de São Nicolau e jornalista da TV Record Cabo Verde, a ex-estudante da Faculdade de Ciências Sociais, Humanas e Artes da Uni-CV e a equipa da TV Record produziram uma grande reportagem sobre “os homens do mar: uma viagem em busca de sobrevivência”, que retrata a vida que os pescadores, diante de tantas dificuldades, enfrentam durante a faina marítima (frio, tempestades, chuva).

O PNJ criado por Resolução do Governo em agosto de 2013, tem como objetivo galardoar ações dos jornalistas, empresas ou órgãos de comunicação social, bem como estimular a produção e a difusão de trabalhos jornalísticos que concorrem para a promoção de valores da liberdade e da democracia, do empreendedorismo e da solidariedade social, a preservação do meio ambiente, a promoção da saúde, de hábitos saudáveis, educação para a cidadania e cultura.

A ex-estudante do curso de Jornalismo mostra-se feliz com o resultado e afirma: “é o meu primeiro prémio como profissional da comunicação social, e isso traz-me uma motivação maior para continuar, com mais inovação, criatividade e também com mais investigação”. Silvino Évora e Daniel Medina foram os docentes que marcaram o seu percurso académico na Universidade de Cabo Verde.

Qual foi a sua reação ao saber que venceu o Prémio Nacional de jornalismo na Categoria Televisão? 

Cassandra Silva: Foi a primeira vez que participei no concurso, fiquei feliz e também muito grata, por saber que o nosso trabalho (eu e a minha equipa) foi reconhecido e distinguido com o Prémio Nacional de Jornalismo. É o meu primeiro prémio como profissional da comunicação social e isso traz-me uma motivação maior para continuar, com mais inovação, criatividade e também com mais investigação. 

Candidatei-me com a reportagem “Homens do mar: Uma Viagem em busca de sobrevivência”, escolhida como a melhor entre 14 trabalhos na categoria Televisão. Daí a gratidão e a grande emoção deste marco tão importante na minha vida profissional e pessoal que significa a realização de mais um sonho. 

Porquê homens do Mar: uma Viagem em busca de sobrevivência? 

CS: Estando ali vivenciando esta realidade, percebi o quão difícil é a vida deles. Passamos cinco dias no mar e não conseguimos o pescado suficiente que pudesse garantir aos pescadores um rendimento. 

São tantas as dificuldades que estes valentes enfrentam nas águas (frio, tempestades, chuva, etc.) que o trabalho deles merece ser mais valorizado, daí a escolha deste título em homenagem a estes homens que passam a maior parte do tempo no mar.

Quem a incentivou a concorrer para o prémio nacional de jornalismo?

CS: O trabalho em si já é um incentivo para se candidatar a qualquer prémio, por se tratar de um documentário inédito, que mostra a rotina dos nossos pescadores, os perigos e vários outros desafios enfrentados por eles.

Ouve também um incentivo por parte do órgão de comunicação, onde eu trabalho, a Record TV Cabo Verde (em especial do Coordenador de Produção Edson Gomes) que sempre me apoiou acreditou e investiu em mim. 

Como reconhecimento, os jurados descreveram o referido trabalho como “uma matéria original que combina as formas jornalísticas de entrevistas, testemunho e depoimento de vários atores do mar. Um trabalho interessante, dinâmico e corajoso que sensibiliza o público para a faina no mar, trazendo tela adentro os riscos que os pescadores correm como forma de sobrevivência e também pelo grande amor que têm ao mar”. 

Como começou a sua paixão pelo jornalismo? Porque escolheu a Uni-CV para fazer os seus estudos superiores? 

CS: A minha paixão pelo jornalismo vem desde a infância, quando eu assistia o jornal da noite na RTC e tinha como espelho a jornalista Rosana Almeida e o Waldemar Pires. Cresci e o sonho só foi aumentando. Daí quando terminei o ensino secundário, em 2013, matriculei-me na Faculdade de Ciências Sociais, Humanas e Artes na Universidade de Cabo Verde e durante quatro anos aprendi muito sobre esta nobre profissão.  

Durante o meu percurso académico escutei de muitas pessoas que o mercado da comunicação social em Cabo Verde é fraco, mas se você fizer o seu trabalho com rigor e qualidade, pode sim, encontrar o seu lugar. Além disso, o jornalista pode trabalhar em diversas áreas. Como exemplo tenho vários colegas a trabalharem como professores e assessores de imprensa.

Há algum professor que marcou o seu percurso académico?

CS: Para buscar informação é preciso ter a capacidade técnica no exercício da profissão, mas é preciso ter também paixão pela profissão. Sempre ouvi isso dos meus professores. 

Silvino Évora e Daniel Medina foram sem dúvida os melhores que eu tive durante a minha licenciatura. O Silvino Évora que sempre defendeu um jornalismo de investigação. E o Daniel Medina que sempre nos incentivou a apostar na leitura e aprender a arte de comunicar. 

Estes são apenas alguns dos aspetos que aprendi com estes dois grandes educadores.

Um dos aspetos que mais me cativa no Jornalismo é poder contar histórias. Durante o meu percurso de jornalismo (praticamente três anos de experiência entre estágio curricular, profissional e como jornalista profissional), conheci várias histórias, muitas delas fascinantes.

Pin It