Projeto resistance.png

A Faculdade de Ciências Socias, Humanas e Artes realizou na passada segunda-feira, 29 de julho, uma tertúlia intitulada Projeto Resistance/Uni-CV e Historiografia de Cabo Verde, na sala de formação da Escola de Negócios e Governação da Universidade de Cabo Verde.  O evento enquadrou-se nas atividades do referido projeto em Cabo Verde e visou a apresentação de resultados das pesquisas em curso, de investigadores cabo-verdianos e não só, membros do mesmo que vêm estudando fenómenos de resistência ativa e passiva de categorias sociais específicas em Cabo Verde, no horizonte temporal situado entre 1500 e 1850.

A tertúlia contou com cinco intervenções inseridas nos temas abaixo indicados, proferidas pelos investigadores do Projeto, seguidas de debate com participação de uma plateia especializada.

O tema sobre “As resistências das elites locais às medidas pombalinas adotadas em finais do século XVIII no reino português do Algarve e no Arquipélago de Cabo Verde” foi apresentado por Andreia Fidalgo, docente da Universidade do Algarve e investigadora do ISCTE.

“As resistências ao assalariamento de grupos camponeses no século XVIII na ilha de Santiago”, foram debatidas a partir da exposição feita por António Correia e Silva, docente da Uni-CV, Work Pakage Leader do Projeto e Investigador que preside a Cátedra UNESCO de História e Património.

Ivone de Fátima Brito Monteiro apresentou o tema: “Resistência em Cabo Verde com enfoque nos fundamentos da adjacência para Cabo Verde no Séc. XIX” – Docente e investigadora do projeto. 

“A resistência em Cabo Verde no Seculo XIX com enfoque na estrutura fundiária na Ilha de Santo Antão no século XIX” foi o assunto abordado por José Évora, Investigador do Arquivo Nacional e do Projeto RESISTANCE. 

Antes da última apresentação, Lourenço Gomes, docente da Uni-CV, Coordenador do Projeto e Investigador da Cátedra UNESCO de História e Património dissertou sobre “Resistência passiva em Cabo Verde revelada nas narrativas sobre as condições de vida de grupos subalternos no Arquipélago, de 1800 a 1850”. Recorreu o investigador ao conteúdo de um texto oitocentista correspondente ao ofício nº 100, de 11 de Dezembro/1845, remetido à metrópole pelo Governo-Geral de Cabo Verde, a partir do qual pôde fazer a análise de uma realidade semelhante na mesma altura, no século seguinte, em Cabo Verde, com base num texto poético de Pedro Cardoso.

A fechar o ciclo das apresentações, Elter Manuel Carlos, docente da Uni-CV e investigador do Projeto RESISTANCE, discorreu sobre as “Evidências estético-corporais e discursivas como parte das representações da resistência na realidade do Cabo Verde oitocentista”

Foi, de facto, uma oportunidade de discussão em torno do contributo dos docentes/investigadores nacionais e de uma pesquisadora estrangeira, acolhida durante o mês de julho na Uni-CV demonstrarem que a historiografia de Cabo Verde está repleta de factos escondidos que, no quadro deste projeto RESISTANCE, são objeto de pertinentes interpretações.

A tertúlia foi ainda ensejo para os investigadores consensualizarem novas ações a serem concretizadas brevemente.

Pin It